Skip to main content
thinkstockphotos-509682799a

7 dicas para você se tornar um milionário em apenas 1 ano

Ganhar o primeiro milhão é um sonho de muita gente. O valor não é gigante, vale dizer. Não é o suficiente, por exemplo, para que alguém pare de trabalhar. No entanto, conquistar esse montante faz com que o detentor desse montante conquiste uma marca muito importante. Tornar-se um milionário é um degrau importante rumo a voos mais altos.

Alguns empreendedores, aliás, conquistaram seu primeiro milhão em um prazo relativamente curto: um ano. Uma reportagem publicada no site da revista “Inc.” compilou o depoimento de pessoas que atingiram essa meta em 365 dias. Ou até menos. No texto, elas listaram os fatores que foram cruciais para chegar a esse resultado:

1. Ame seus clientes
Por Tim Nguyen, cofundador da BeSmartee
“Todas as suas ações devem estar focadas nos seus clientes. Ao pensar em qualquer coisa na sua empresa, pense no impacto que tal mudança traria aos consumidores. Não se preocupe tanto com as vendas e definitivamente não foque no dinheiro. Concentre-se nos clientes.”

2. Faça bons contatos
Por Margot Micallef, fundadora da Gabriella’s Kitchen
“Uma boa e sólida fundação inclui uma rede de contatos, bem como amizades com investidores. Todas as situações que me trouxeram um grande retorno tiveram origem em uma relação construída anos antes.”

3. Tenha valores. E paixão
Por Steve Starr, da StarrDesign
“Sua empresa tem que ter personalidade. Tem que ter processos e relações com clientes e funcionários que sejam únicos. Em qualquer negócio, é essencial definir o que inspira você e seus colaboradores e jamais se afastar desses valores. Também é importante ter paixão. E apegar-se a ela é vital para o sucesso.”

4. Aperfeiçoe seu produto
Por Simon Slade, CEO da Affilorama
“Meu melhor conselho para quem quer se tornar um milionário é criar um produto incrível e continuar aperfeiçoando-o sempre. Também acredito que é importante usar uma métrica – apenas uma – para ver seu avanço. Faça o possível e o impossível para crescer, pelo menos de acordo com o critério que você escolheu.”

5. Saiba lidar com pessoas
Por Ted Leonhardt, especialista em gestão
“Para conseguir me tornar um milionário em um ano, eu priorizei o entendimento das minhas relações com todas as pessoas que eram, direta ou indiretamente, ligadas à minha empresa, como funcionários, clientes e fornecedores. Entenda todas as preocupações de todos eles e proponha soluções para acabar com essas aflições. Assim, seu caminho ficará mais fácil.”

6. Trabalhe forte no começo
Por Heidi Burkhart, presidente do Dane Professional Consulting Group
“Aos 21 anos, entrei no mercado imobiliário. Nos meus primeiros anos, trabalhei à exaustão, trabalhando 24 horas por dia e economizando o máximo que podia. Depois disso, as coisas foram melhorando. E, eventualmente, alcancei uma saúde financeira e consegui ganhar um bom dinheiro. Credito tudo isso ao esforço do começo da minha empreitada.”

7. Não se preocupe tanto
Por Zach Halmstad, cofundador da JAMF Software
“Meu conselho é que você foque no que você quer ser e não pense no que pode dar errado no meio do caminho. Quase todos os prognósticos catastróficos que temos nunca acontecem. Não se preocupe tanto.”

cfyfwkoe6ypqagtr1pml

Hospedagem Compartilhada vs Amazon vs Google

Para quem não sabe, hospedagem compartilhada são os planos de entrada e intermediários de empresas recomendadíssimas como a GoDaddy e Host Internet que trabalham geralmente em servidores bare metal, um isolado do outro, podendo utilizar alguns recursos cloud como armazenamento para oferecer certas vantagens. Se formos ver a capacidade de computação das concorrentes a discussão que vem à mente é como tais empresas lidam com fortes concorrentes como a AWS (Amazon Web Services) e Google Cloud Platform que sabidamente são capazes de rodar os mesmos programas que se tem no compartilhamento de hospedagem, como por exemplo, Drupal, Joomla, phpBB, vBulletin, WordPress, WooCommerce e Magento.

O Google Cloud é o competidor direto da Amazon Web Services num mercado multibilionário dominado por esta última e ambas as empresas utilizaram e ampliaram a estrutura que já tinham ao redor do mundo, nos seus respectivos ramos de atuação, para começar a vender serviços web adicionais. Empresas pequenas a grandes utilizam-nos para seus negócios online e para ter vantagens como pagamento pelo uso, capacidade de redimensionamento da instância virtual e redundância completa a fim de evitar o descontinuamento do serviço para seus clientes na internet.

No entanto, apesar de parecer tudo muito bom é interessante ressaltar algumas desvantagens de tais serviços:

1. A primeira desvantagem é sem dúvida o preço. A infraestrutura é melhor, mas isto também demanda custos maiores para os consumidores. Um blog pequeno estaria custando cerca de $10 dólares ao mês (sem contar todos os gastos que mencionamos neste post que também se aplica na hospedagem cloud) sendo que na hospedagem compartilhada poderia estar conseguindo a partir de $2. Já no outro extremo, um blog com muito movimento estaria pagando na casa de milhares de dólares ($1000~2000) num serviço que custaria apenas $100~200 num servidor dedicado de um provedor de hospedagem compartilhada. Com o dinheiro utilizado na primeira, poderia se montar perfeitamente um equipamento com garantia em contrato com muitas das vantagens de uma nuvem e economizar bastante ainda.

2. Confibilidade. Apesar de uma falha pontual poder ser corrigida automaticamente, quando isso não acontece temos simplesmente uma falha catastrófica em uma boa parte do serviço, que afeta milhares de pessoas. E diferentemente das empresas de hospedagem compartilhada ela não pode ser consertada com uma simples troca de hardware ou reiniciamento das máquinas de poucos minutos. Ambas as concorrentes tiveram este tipo de falha diversas vezes desde que começaram a atuar no mercado documentados na Wikipedia (Amazon/Google).

3. Facilidade de Uso. Google e Amazon são recomendados para usuários avançados que sabem configurar o servidor do zero. Apesar de poder instalar aplicativos nele com um clique, não quer dizer que ela não tenha brechas de segurança. Ou que não é necessário comprar licensas de software separadamente. Tudo precisa ser configurado e se você tiver nenhuma ou pouca noção do que é preciso fazer a melhor alternativa é certamente a hospedagem compartilhada que possui um administrador próprio que configura tudo e inclui na mensalidade todas as licensas padrões do mercado.

4. Suporte ao Consumidor. Se você precisar de suporte técnico na AWS ele custa $49/mês e demora até 12 horas, no Google, custa $150/mês e demora até 4 horas. Na hospedagem compartilhada o suporte técnico já é incluído no preço e demora em média de 15 minutos a 1 hora.

Conclusão

Os serviços em nuvem provavelmente vieram para ficar e apesar dos avanços alcançados desde 2006 precisam evoluir muito para conquistar a grande parte da população que só quer colocar um site no ar e se preocupar em publicar conteúdo. Até lá, elas são perfeitas principalmente para as grandes empresas como Netflix, Snapchat, Dropbox  e outros que nem precisamos citar. Quem se dá bem agora são as empresas de hospedagem compartilhada (como foram citadas algumas no começo deste post) e aquelas que utilizam a nuvem para oferecer serviços moldados para o público geral, que abordaremos nos próximos artigos.

happy-woman-laptop-computer-421x250

Dicas para melhorar seu posicionamento no ranking do Google

Quando o assunto é busca na internet, praticamente só vem Google à cabeça, não é mesmo? E isso o coloca no centro das atenções de qualquer empreendedor que queira estabelecer um bom posicionamento na web, ganhando algumas posições no ranking de buscas orgânicas. Pois para atingir esses resultados, só desenvolvendo uma boa estratégia de SEO focada no que se sabe a respeito dos algoritmos do buscador — em especial do Hummingbird —, que coloca a relevância do conteúdo acima de tudo o que você já vinha fazendo. Essa é a era da web semântica! Mas como exatamente melhorar seu posicionamento no ranking do Google atualmente? Melhor conferir nossas valiosas dicas a seguir:

Aposte no poder da qualidade

Se antes o que importava era a quantidade de palavras-chave contidas em cada página, o que importa agora é a relevância do conhecimento que você compartilha com os internautas. Assim, quanto mais aderência seu conteúdo tiver às buscas realizadas no Google, melhor será seu posicionamento no ranking. Essa atualização nada mais é que uma continuidade da política do Google de proporcionar uma experiência cada vez mais personalizada para seus usuários, o que vem dando certo à medida que seus robôs evoluem para um entendimento mais aprofundado do comportamento de navegação geral.

Dessa forma, crie conteúdos originais, inéditos e estruturados, variando o tamanho de cada um para atender aos mais diversos perfis de usuários da internet — já que, enquanto uns estão propensos a ler um post de 2 mil palavras, outros querem respostas bem mais objetivas, como o simples resultado de uma conta de mais ou menos, por exemplo. Como variação e qualidade se vai longe.

Produza conteúdo visual

Hoje se vive uma verdadeira enxurrada de vídeos na internet, que servem para mostrar como o conteúdo que você compartilha pode ser multimídia e promover uma experiência diferenciada para o público. E o Google sabe disso melhor do que ninguém! Portanto, para ver sua marca subir de vez no ranking do Google, crie conteúdo visual, como infográficos, imagens, vídeos e tabelas, por exemplo. Só não se esqueça de trabalhar as palavras-chave no nome dessas imagens para que você melhore ainda mais seu posicionamento nos resultados das buscas, ok?

 

Seja você mesmo para gerar credibilidade

Muitas empresas simplificam os termos originais de suas áreas de atuação para que pessoas com menos entendimento possam compreender e se instruir com seus conteúdos. Mas por mais que essa atitude seja louvável, procure não fazer isso em todo o site! Utilizando termos técnicos e próprios do seu mercado, você constrói sua autoridade na rede e atrai a atenção do Hummingbird com mais facilidade, atingindo um público mais segmentado e preparado para realmente se relacionar com sua empresa.

Torne-se responsivo

Desde o dia 21 de abril deste ano, o Google vem priorizando sites responsivos em seus resultados de busca, recompensando aqueles empreendedores que valorizam seus clientes ao proporcionarem uma experiência de navegação única e de qualidade em qualquer dispositivo, seja ele mobile ou não. Sendo assim, se você ainda não conta com um site responsivo, chegou a hora de investir!

Vale destacar que essas mudanças no comportamento do Google em relação ao posicionamento de seus resultados de busca não excluem o trabalho de SEO que você já vem fazendo em suas páginas — o que inclui títulos, palavras-chave, links internos e assim por diante. Mas é preciso não só dar continuidade a esse trabalho como começar a se adequar aos novos requisitos para garantir um bom posicionamento no ranking do Google! Então o que ainda está esperando?

Agora comente aqui e nos conte a quantas anda essa sua preparação! Seu site já é responsivo? Que tipo de conteúdo normalmente produz e publica? Compartilhe suas experiências conosco e participe da conversa!

2

Como aparecer rapidamente no Google

Esta questão possui uma grande demanda aqui no blog, estarei fazendo um resumo rápido de como enviar o link do seu site para indexação no Google, e em poucos minutos estar apto a ser encontrado no mecanismo de busca.

Existe uma ferramenta que não é muito divulgada entre os usuários, ela se chama Google search console, serve para monitorar o rastreamento do Google em seu site, verificar erros de página e até enviar links para indexação.

O processo é muito simples, após cadastrar o seu site e realizar o procedimento para comprovar que é realmente o dono do domínio, no menu do lado esquerdo clique na opção rastreamento, depois em buscar como o Google, insira a URL do link que deseja enviar e clique em buscar.

Após iniciar a busca o Google listará o seu domínio com a opção enviar para o índice, basta clicar em enviar e selecionar para que ele faça o rastreamento apenas na página principal, pronto em poucos minutos o seu site já estará figurando nas pesquisas.

Esse processo pode ser automatizado por meio de um Sitemap, que consiste em gerar um mapa para que o Google encontre rapidamente as novas informações no seu site, e faça a indexação sem a necessidade de enviar o link manualmente. Se você utiliza WordPress o processo é mais simples pois existem Plugins que fazem todo o trabalho.

Como pode ser visto, não é um bicho de sete cabeças aparecer nas pesquisas, basta saber usar as ferramentas adequadamente que a tarefa fica bem simples, agora você já está pronto para a próxima etapa que é posicionar o site entre os primeiros colocados, mas calma, isso é um pouco mais trabalhoso e necessita de alguns conhecimentos sobre SEO (Otimização para mecanismo de busca) que serão abordados em outros posts.

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE